sexta-feira, 9 de abril de 2010

Quem dá mais?


Quanto vale uma vida? Na atual conjuntura social, pode se considerar um real como uma boa oferta - sem hipérbole.
Existem 6,6 bilhões de pessoas no mundo; quem se importa se morreu mais um, dois, três...? Tem vida demais nesse planeta. Perde-se um aqui, outro lá, mais um acolá. Estamos nos acostumando a tragédias. E dai se houve terremoto no Japão? Ciclone em Santa Catarina? E o tornado nos Estados Unidos? Milhares de mortos no Haiti? Deslizamentos no Rio de Janeiro ? Ih, agora está ficando próximo - Mas, que bobagem! Pensa o egoísta que o essencial é que o próprio não seja atingido. Catástrofes com a vida alheia não impactam mais. Os gritos da natureza soam como cantos líricos.
Deve o indivíduo banal acordar e perceber que seu egoísmo não é a chave da vida.
A frieza predomina. Importamo-nos apenas quando quem falece é nosso parente próximo bem próximo ou amigo chegado bem chegado, ai então choramos - será que choramos mesmo?
O lamentável é ninguém sequer lamentar.

Um comentário:

Lucas Magalhães. disse...

Vidas custam. Vidas incomodam... Incomodam a tanto, que hoje não te conhecem por nome, e sim por número.

O que será que Deus pensa a respeito?